Passaporte

Um poema de Wessam Othman

Passaporte

Tradução: Diego Montecinos

 

Eles param em filas

acendem cigarros

acendem seus corações

Longas, longas são essas filas

Espere no final, um deles me diz

Você chegou atrasado.”

Eu respiro bem fundo e digo:

“Quando vocês chegaram?

Vocês dormiram aqui?”

Eu paro e empurro o balanço sobre a corda da espera

e sussurro em segredo

Meus anos se consomem e eu espero

Não há inconveniente em esperar de novo, não há

Eu espero como milhares

Todos sentem inveja do primeiro que sorri

É aquele que é o primeiro do comboio

Todos murmuram

Param, prendem a respiração e suspiram profundamente

O tempo passa devagar como um velho que empurra seus passos pesados

São sete horas da manhã, depois de o sangue congelar

O sol de inverno se aproxima de nós e se afasta

Está na hora das portas se abrirem, as janelas da salvação provisória

A porta se abre, todos atacam como se atrás dessa porta houvesse um tesouro de ouro

ou se o paraíso os esperasse ali

Estávamos parados nessa fila ilusória

mas num único instante todos se explodiram

e a fila se tornou um rosário disperso

Todos se empurram sobre a porta de ferro estreita

apertam-se

combatem-se

amontoam-se

matam-se.

e não rezam

Para, então, um funcionário de sorriso amarelo

olha para o mais alto deles, como um deus autoritário

como se todos eles fossem servos em peregrinação ao seu escritório preto

Ele pega sua xícara de café e o toma lentamente

e diz para eles, com a entonação dos reis:

Ninguém entrará, então, não se cansem.”

Eles fogem da fadiga, do tempo, e se vão

Retornam de onde vieram

retornam para suas mortes esperadas

As pessoas olham em seus rostos

elas se odeiam

ofendem-se

amaldiçoam-se

brigam entre si

gritam

e fazem silêncio

e param

e sentam-se

Um deles diz: Eu quero um passaporte,

não quero outra coisa de vocês.

Dê-me um passaporte para sair daqui.”

E então todos gritam: Nós somos como você.”

2

Eu paro ao lado, coloco a mão no rosto

minha voz se afoga dentro da minha garganta

eu engulo a minha angústia

apago o cigarro cansado sob os meus pés

Ó meu povo, o quanto vocês foram torturados!

Eles nos puseram nesta prisão coletiva

Disseram: Nós temos o que vocês têm, e nos impomos sobre vocês.”

Mas eles não disseram que viveríamos e morreríamos aqui

não disseram que este exílio irá nos prender e matar

não disseram que todos conspiram contra nós

que eles venderam nossa terra para apodrecermos neste lugar contaminado

não disseram que eles irão lutar entre si

e que nós seremos escudos humanos e vítimas de uma guerra doente

Não disseram que a primavera dos árabes é nosso outono

não disseram que todos os países irão nos recusar

e que nosso passaporte é simplesmente uma grande mentira

Disseram-nos: “Nós, árabes, somos teus irmãos, vocês estão sob nossa proteção.”

Não disseram que no leilão mundial iriam vender nossos corpos

Disseram-nos que somos refugiados honrados aqui

Não disseram que seríamos presos e escravizados no mercado de tráfico de árabes

Ó cidadão tingido pelo sangue dos que se foram!

Ó cidadão que chora sobre uma oliveira!

Onde está você para chorar por nós?

Ó cidadão que resta sobre o mapa de nossos corações!

Onde está você para escutar nosso grito

e apertar a nossa mão?

Ó cidadão, mantenha firme o rosto ao vento!

Onde está você para salvar o resto de nós?

Ó árabe adormecido nos braços da vizinhança,

eu te chamarei de inimigo!

Sim, não se surpreenda, e acredite na mentira que te contei

Eu te chamarei de inimigo

ensinarei a meu filho que virá do útero do exílio

eu o farei saber que foi você que me matou

e que você agiu de modo pérfido com minha terra

e trespassou minha cintura

Eu o farei saber que você é como os irmãos de José

Aprenda com as histórias dos primeiros”...dizia para mim o meu senhor

e só agora aprendi, entendi quais deles são seus irmãos, e quais são meus

Ó meu povo sem lar, abandonado nas sendas dessa terra em luto!

No lugar de um filho, terei milhares e milhares de filhos

para contar a eles a história da Palestina, e a seus irmãos

para que saibam quem são os primeiros inimigos, e qual a nossa primeira causa

Ó mães da terra usurpada!

Todo inverno traz milhares e milhares de filhos

A cada gota da chuva um recém-nascido é enviado para nós

a cada gota de chuva direi aos árabes

que pereçam

Ó pastores descalços traíras! [traidores]

3

Ó passaporte preso numa cela árabe

queime, queime você mesmo e queime meu nome!

Minha alma voará para atravessar as ilhas, as fronteiras, os muros

minha alma voará, sem visto, sem a autorização de um rei árabe feliz

minha alma voará para observá-los com atenção e afligi-los com minha eterna maldição

Na Terra vocês são reis de um povo tolo

No Céu há o rei dos reis, esperem o chamado da minha terra

esperem o castigo que cairá sobre os primeiros e os últimos de vocês

Ó passaporte preso em mãos árabes!

Rasgarei as suas folhas com decepção

e o jogarei na lata de lixo da imoralidade árabe

Não quero você, não quero um nome qualquer

Sou um palestino parado à beira da morte

Não tenho medo da morte

A imoralidade de vocês não irá me deter

Minha alma voará para beijar a cúpula amarela na terra santa

minha alma voará para erguer a bandeira de meu país ali sobre a fronte do sol.  

Damasco, 2013.

Uma Ocupação globalizada: os Acordos de Paz como modificador da violência exercida na Palestina

Revista Diáspora Este artigo foi escrito por um colaborador convidado e reflete apenas as visões do autor. Arturo Hartmann, jornalista, pesquisador e documentarista, situa fundamentalmente os Acordos de Paz de Oslo em um processo de cessão de...

O entendimento popular palestino do direito de retorno

Revista Diáspora Este artigo foi escrito por um colaborador convidado e reflete apenas as visões do autor. Isam Ahmad Issa esclarece as diretrizes do entendimento popular do direito de retorno e reforça a necessidade de sua consolidação na...

A influência da mídia na construção da identidade palestina

Revista Diáspora Este artigo foi escrito por um colaborador convidado e reflete apenas as visões do autor. Em “A influência da mídia na construção da identidade palestina”, a jornalista Maura Silva ressalta a importância de rever maniqueísmos...

Passaporte

Passaporte Um poema de Wessam Othman Passaporte Tradução: Diego Montecinos   Eles param em filas acendem cigarros acendem seus corações Longas, longas são essas filas “Espere no final”, um deles me diz “Você chegou atrasado.” Eu respiro bem fundo e digo: “Quando vocês...

Teto, solidariedade e o direito de retorno: percursos do internacionalismo na ocupação Leila Khaled

Revista Diáspora Este artigo foi escrito por um colaborador convidado e reflete apenas as visões do autor. Helena Manfrinato evidencia questões como o direito de retorno, refúgio, luta política e solidariedade na ocupação Leila Khaled, de São...

Dossiê – Palestina em foco: território, tecnologia e refúgio

Helena de Morais Manfrinato Othman Este dossiê é uma seleção de textos, entre artigos, um poema e um documento, que trata de questões palestinas contemporâneas, passando por um balanço dos 25 anos dos Acordos de Oslo, os usos das...

Gaza: entre o colapso da iminência e a carapaça enjaulada do humanitarismo

Revista Diáspora Este artigo foi escrito por um colaborador convidado e reflete apenas as visões do autor. Henrique Sanchez explica como a deterioração das condições de vida em Gaza, traumas de guerra e limitações do “humanitarismo” já levaram...

Desterritorializando os Territórios Ocupados? Considerações sobre hardwares, redes e resistências na Palestina Contemporânea

Revista Diáspora Este artigo foi escrito por um colaborador convidado e reflete apenas as visões do autor. Júlia Tibiriçá Diegues Gomes mostra como as neofronteiras dos territórios ocupados, sejam elas geográficas, online ou pessoais, permeiam...

Palmeiras decapitadas

Palmeiras decapitadas Um poema de HOSSEINALI BASIRI (HASAN BASIRI)“Beheaded Palm Trees” A Poem by Hosseinali Basiri (Hasan Basiri) Sing me a song Of those beheaded palm trees In bombardments And the fields that Combined your childhood With the howling of hungry wolves...

Acusado de um beijo na rua

Acusado de um beijo na rua Um poema de Hosseinali Basiri (Hasan Basiri)“Being Accused of a Street Kiss” A Poem by Hosseinali Basiri (Hasan Basiri) The bruise on my back, Is the trace of men's lashes Those who admire and worship women's naked body From behind the walls...

Sobre o autor:

Wessam Othman é poeta e formado em Direito pela Universidade de Damasco. Vive no Brasil desde 2014. William Diego Montecinos é tradutor, formado em Letras Árabe – Português, mestrando do Programa de Estudos Judaicos e Árabes da FFCLH – USP

Gostaria de ver mais projetotos como esse?